Bandidos agem em 5 vias em dias de show no Morumbi

 

Avenidas como a Giovanni Gronchi e Morumbi são os pontos preferidos dos ladrões; no sábado, durante o show da cantora norte-americana Beyoncé, foram registradas pelo menos 80 ocorrências de furtos e roubos


co

Bandidos que atacam fãs em dias de shows no Estádio do Morumbi, na zona sul, agem em cinco avenidas e em uma praça próximas ao local, segundo a Polícia Militar. O Jornal da Tarde apurou que na área do 34º (Morumbi), entre o sábado e a madrugada de domingo, no dia do show da cantora norte-americana Beyoncé, foram registradas 197 ocorrências, das quais ao menos 80 estavam relacionadas a furtos e roubos durante a apresentação. Os ladrões preferem avenidas como a Giovanni Gronchi e Morumbi , no entorno do estádio. Há ainda relatos de furtos dentro do Morumbi, em que as vítimas são empurradas (leia ao lado). A Media Mania Comunicação & Imagem, produtora do show de Beyoncé, nega qualquer ocorrência no estádio.

Entre os objetos mais visados se destacam celulares e máquinas fotográficas digitais dos pedestres. Motoristas parados no congestionamento também acabam sendo vítimas, assim como o público que deixa o carro estacionado em ruas escuras e segue a pé para o show. O major da Polícia Militar William Evaristo Venceslau, coordenador de operações do 16º Batalhão (Rio Pequeno), afirma que, em dias de shows, o policiamento acaba sendo mais “complexo”, pois o público chega bem mais cedo ao estádio, até um dia antes para garantir um bom lugar na fila. Isso pode facilitar, segundo ele, o ataque de criminosos a grupos que se formam antes das apresentações.

“A característica do show é bem diferente, por exemplo, dos dias de jogos, quando o público chega duas horas antes e entra no estádio”, afirma. De acordo com o oficial, no primeiro caso, segundo a PM, os crimes mais comuns são o furto e o roubo de carros. Já nos shows, os bandidos atacam mais pedestres e levam seus pertences.

Apesar do número de ocorrências apurado pela reportagem, o oficial afirma que os shows recentes, como o da banda Metallica e da cantora Beyoncé, não causaram transtornos. “A vítima procura o policial ou vai direto para a delegacia fazer o boletim de ocorrência”, diz o major. No último, 300 PMs fizeram a segurança nos arredores do Morumbi.

A presidente do Conselho de Segurança (Conseg) do Morumbi, Júlia Titz de Rezende, afirma que os roubos e furtos antes e após shows são um problema antigo. “Antes de cada show, nos reunimos com a PM e com os produtores, mas é um trabalho para minimizar os problemas”, diz. Segundo ela, nos dias de show, os moradores vizinhos ao estádio não sofrem tanto com a violência. As vítimas, diz ela, são os fãs, geralmente de classe mais alta e com objetos de valor. “Com as torcidas é diferente. Se o time ganha ou perde, eles sempre se manifestam, destroem árvores, depredam carros”, afirma Júlia.



DICAS

Mantenha celular e máquina fotográfica nos bolsos da frente
Evite levar bolsas e mochilas. Se for imprescindível, deixe-as sempre na frente do corpo
Leve dinheiro suficiente para uma refeição. Evite cartões bancários. Se for preciso, pegue só um
O mesmo deve ser feito com os documentos de identificação
Guarde o ingresso em local seguro. Nunca fique com ele na mão
Evite falar cambistas
Desconfie de esbarrões
Procure estacionamentos credenciados
Escolha locais com boa iluminação para caminhar até o estádio
Evite usar celular no caminho

 

Garota assaltada perde R$ 800 em ingressos

 

Para a auxiliar de escritório Luana, de 22 anos, a ida ao show de Beyoncé seria a realização de um sonho. A jovem vendeu as férias do trabalho e com o dinheiro comprou pela internet quatro ingressos para ela sua família - um total de R$ 800. Na hora de retirar os bilhetes, por volta das 16h, no Morumbi, chovia muito. Ela colocou os ingressos no bolso da capa de chuva, mas foi atacada na rua por um grupo de quatro homens. Eles a empurraram e levaram as entradas e o sonho de ver a cantora.

“Acabou com a minha semana, noite, com tudo”, disse. Após o crime, ela seguiu até o 34º Distrito Policial (Morumbi) onde teve mais uma decepção. “Fiquei seis horas para fazer o BO. Naquela hora, havia quatro, pessoas com o mesmo problema”, disse ela, que é de Guarulhos, Grande SP.

A estudante Ariane Ferreira Santos, de 23 anos, assistiu ao show o tempo todo com a mochila na frente do corpo. Ao sair da apresentação, foi encontrar o grupo da excursão que veio de Santos, na Baixada Santista, em frente a uma base da PM. “Eu coloquei a bolsa para o lado. Em segundos minha máquina digital não estava mais lá”, contou a estudante, que tinha comprado o equipamento justamente para fotografar a Beyoncé. “Paguei R$ 700 na semana passada”, lamentou. “Depois, dentro da van, soube que um colega teve o celular roubado.” Ariane fez BO na delegacia de Santos. O caso veio para a capital.

No show

Wildon Junior foi atacado dentro do show. Ele lembra o momento em que passou em uma multidão e foi jogado no chão. Teve a carteira com R$ 100 roubada, além de documentos e cartões de banco. “Foi meu primeiro assalto”, contou ele, que fez o BO no 5º DP (Aclimação), perto de sua casa.

Humberto Nogueira, de 21 anos, chegou a ser assaltado no mesmo show, nas imediações do estádio. Criminosos levaram a carteira do rapaz, o RG, a máquina digital e MP4. Outra vítima, Adalberto Araujo, teve a carteira e o cartão bancário furtados. Os casos foram encaminhados ao 34º DP.

 

 

Caminho até estacionamento é perigoso

Outro problema encontrado pelos fãs em dias de show no Morumbi são os estacionamentos. Vítimas de assaltos disseram ao JT que têm de deixar o carro em ruas escuras e, no trajeto a pé até o estádio, são abordadas por ladrões.

Fã de música e shows, Fábio Gianesi conta que quando voltava do show da Madonna, em dezembro de 2008, ele e três amigos presenciaram um assalto em um posto desativado na altura do número 3.000 da Avenida Giovanni Gronchi. Três rapazes estavam escondidos no local, escuro, e pegaram a bolsa de uma garota. Outro caso aconteceu em janeiro deste ano. Ao voltar do show do Metallica, Gianesi e um grupo de amigos estacionaram perto do estádio. “Um dos meus amigos subiu a Giovanni com duas moças. Nesse mesmo local, elas também tiveram suas bolsas roubadas. Da mesma forma, havia policiamento no entorno do local, mas nada foi feito.”

Uma das alternativas, segundo vítimas, é estacionar no Shopping Butantã, na Avenida Francisco Morato. Apesar de ter um estacionamento gratuito, o shopping cobra até R$ 100 por uma vaga em dias de show e jogos em andar isolado.

Fonte: CAMILLA HADDAD, [email protected] - Jornal da Tarde.